CPI da Covid aprova convocação da ex-mulher de Bolsonaro

Foto: Assessoria Parlamentar

“A gente tem que acabar com essa fachada teórica que imagina que, por conta de decisões judiciais, a gente tem que esquecercer as malas de dinheiro, as confissões, os milhões. Vivemos o maior estelionato que o Brasil já viu. Alguém que se vendeu como combatente da corrupção e que desde o nascedouro estava entredado em esquemas como a rachadinha”.

A CPI da Covid aprovou nesta quarta, 15, a convocação de Ana Cristina Siqueira Valle, segunda mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) – a partir do requerimento 1488, do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). O requerimento foi aprovado quase ao final do depoimento do empresário Marconny Ribeiro, apontado como suposto lobista da Precisa Medicamentos, quando Alessandro Vieira pressionou para que a convocação fosse colocada de novo em votação. Com apenas um membro da tropa de choque do governo presente, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) foi o único voto contrário. Ana Cristina é mãe de Jair Renan, filho 04 do presidente Jair Bolsonaro.

Foram justamente mensagens trocadas, pelo celular, entre Marconny e Ana Cristina, obtidas em quebra de sigilo pela CPI, que confirmam que ela atuou para beneficiar Marconny. Ana Cristina teria, a pedido de Marconny, tentado interferir na escolha do chefe da Defensoria Pública da União. A ex-mulher do presidente e Jair Renan se mudaram em agosto da para uma mansão em Brasília. Marconny ajudou o filho 04 do presidente a criar sua empresa.

“Como se sabe, o senhor Marconny Faria atuou como lobista da empresa Precisa Medicamentos, investigada pela CPI da Pandemia em razão de irregularidades na negociação de compra da vacina Covaxin, de modo que a sua relação próxima com a ex-esposa do senhor Jair Bolsonaro deve ser amplamente esclarecida, com vistas a examinar potencial atuação ilícita de ambos no contexto da pandemia”, afirmou o senador Alessandro Vieira. Antes do reuerimento ser aprovado, o senador pressionou os colegas a não mais retardar a convocação. “Nesse momento, a CPI precisa decidir – e temos tempo pra isso – se vai apurar efetivamente os desdobramentos dessa situação ou se vai parar por aí, e pagar o preço político por isso. Esse preço não vai ser meu.”

Por: Laisa/Ascom

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...