Depatri deflagra 11 operações e prende mais de 20 suspeitos em 2020

Neste ano, o Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) da Polícia Civil deflagrou 11 operações nas delegacias que fazem parte da unidade policial. Como resultado dessas ações, foram cumpridas 22 prisões preventivas, uma temporária e uma definitiva. O Depatri é formado por delegacias como a de Roubos e Furtos (Derof), Delegacia de Defraudações e Combate à Pirataria (DDCP), Polícia Interestadual (Polinter), além de outras unidades especializadas da Polícia Civil de Sergipe.

Como resultado das investigações da Derof, três prisões preventivas foram cumpridas em decorrência de um latrocínio ocorrido no dia 18 de janeiro deste ano, em Nossa Senhora do Socorro. Já no procedimento investigativo de outro crime do mesmo tipo penal, no conjunto Tiradentes, na capital, foram duas prisões preventivas. No andamento das investigações do homicídio na localidade conhecida como “Invasão da Babilônia”, em 14 de março, foram realizadas três prisões preventivas.

Ainda no âmbito da Derof, no curso do procedimento investigativo da tentativa de latrocínio de um policial militar, em 5 de dezembro do ano passado, foram cumpridas três prisões preventivas. Na investigação de uma tentativa de latrocínio num ônibus coletivo no povoado Calumbi, em Nossa Senhora do Socorro, foi realizada uma prisão temporária. Outra prisão preventiva foi realizada na investigação de roubos praticados contra taxistas na Região Metropolitana de Aracaju.

Já em ação da Derof, com o apoio da Polinter e da DDCP, foram cumpridas quatro prisões preventivas decorrentes de um latrocínio praticado no bairro Jabotiana, no dia 7 de novembro deste ano. A Polinter cumpriu dois mandados de prisão, sendo um de prisão preventiva, do Tribunal de Justiça de São Paulo, no dia 17 de setembro, e outro, de prisão definitiva, de uma mulher que estava foragida há 18 anos. A prisão ocorreu no dia 28 de agosto deste ano.

A DDCP cumpriu cinco mandados de prisão preventiva. Numa operação deflagrada em junho de 2020, houve uma das detenções. Já em outubro de 2020, mais cinco prisões, em outra operação, com o apoio da Polinter. A diretora do Depatri, delegada Viviane Pessoa, ressaltou o trabalho desenvolvido por todas as unidades policiais vinculadas ao Depatri durante este ano.

“O Depatri tem atuado em diversas frentes. Temos a Derof, Defraudações, DRCC, Divisão de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV), além da Polinter. Na atuação do Depatri temos um trabalho muito forte de combate ao latrocínio, onde todos os casos são elucidados em curto espaço de tempo, com identificação de autoria e prisão dos autores. É uma resposta rápida para a sociedade”, reiterou.
Na atuação da unidade de combate a defraudações houve inclusive a prisão de envolvidos em crimes com prejuízos superiores a R$ 1 milhão. “Tivemos diversas operações, nas quais prendemos envolvidos em crimes que acarretam prejuízos de grande soma. Temos um trabalho muito forte na prevenção com relação às fraudes e crimes cibernéticos, onde damos orientações através das redes sociais e da imprensa para que as pessoas sejam orientadas e não sejam vítimas de golpes”, ressaltou.

Fonte: SSP/SE

Comentários

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...