Imprensa1
Site de notícias do jornalista radialista Marcos Couto

Discussão sobre direitos autorais

oswald-andrade2020“Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado em todas as línguas” era a frase que vinha na folha de rosto da edição original do romance Serafim Ponte Grande, do modernista Oswald de Andrade.

Com a citação, o escritor paulistano entrava em 1933 na vanguarda das controversas discussões sobre direitos autorais.

A mensagem também foi usada para abrir a exposição sobre o autor no Museu da Língua Portuguesa, na capital paulista. “Em 1933, ele já era a favor da cultura livre, quase uma ideia do Creative Commons [tipo de licenciamento usado pela Agência Brasil]”, comenta o curador adjunto da mostra, Cacá Machado.

“Hoje em dia, a gente ainda tem resistência a esse tipo de pensamento.

Então, isso é muito radical na postura de um homem de cultura, das letras”, acrescenta.

Aberta no último dia 27, a exposição com o título Oswald de Andrade: O Culpado de Tudo usa elementos de linguagem contemporâneos para retratar a vida e a obra, elementos indissociáveis, do artista. “Há uma dimensão poético-literária, um histórico e uma dimensão pouco conhecida que é a ensaísta”, explica Machado.

A inspiração para a organização vem do poema As Quatro Gares, onde o escritor reflete sobre as quatro fases da vida.

“Nossa função foi revelar Oswald de Andrade.

Foi trazer a literatura dele e, como essa literatura está muito atrelada à sua vida, não tinha como não falar da vida do Oswald”, conta o curador.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...