Imprensa1
Site de notícias do jornalista radialista Marcos Couto

Governador Déda visita andamento das obras do Museu da Gente Sergipana

FOTO-DO-ATHEBNEUFoi em agosto de 1926, no governo de Graccho Cardoso, que Sergipe viu o prédio do Colégio Atheneu Dom Pedro II, também conhecido como antigo Atheneuzinho, transformar-se no principal centro de formação educacional do Estado em meados do século passado.

Tombado pelo Governo do Estado em janeiro de 1985, o edifício reencontra sua matriz ao abrigar o Museu da Gente Sergipana.

Na manhã deste sábado, 22, o governador Marcelo Déda visitou as obras de restauração do monumento, previsto para ser entregue no fim de novembro. “Esta é uma importante realização do Governo do Estado e do Banco do Estado de Sergipe (Banese). Aqui, no Atheneuzinho, funcionará o maior esforço que um Governo já fez para preservar a cultura e a história sergipana. O Museu da Gente Sergipana é um museu da sergipanidade. Foi a forma que o Banese encontrou para celebrar seus 50 anos de existência, deixando marcado na história a contribuição que as culturas popular e erudita de Sergipe ofereceram ao Brasil. Nossa meta é entregar esse importante equipamento cultural em novembro próximo”, declarou Déda.

Estrutura Com investimento estadual de R$22 milhões, o Museu é o projeto âncora do Instituto Banese e irá expor o acervo do patrimônio cultural, material e imaterial do estado de Sergipe, através de instalações em multimídia interativa e exposições itinerantes. Sua estrutura é composta por um auditório com capacidade para 100 pessoas; estacionamento; café; loja; foyer; átrium cultural; túnel com projeção 360°, que exibirá imagens de biomas e belezas naturais de Sergipe; espaço gastronômico; laboratório de artes e galerias com personalidades do Estado.

“Teremos um museu que não é convencional. Iremos usar a melhor tecnologia aplicada à museologia. Aqui, a cultura sergipana será a matéria-prima e a tecnologia será a ferramenta para mostrar essa cultura aos nossos visitantes.

Várias ferramentas tecnológicas serão utilizadas para ressaltar a história do povo sergipano, sua culinária, seu folclore, sua literatura, sua presença ativa na vida do Brasil. É um monumento ao povo do estado de Sergipe”, reforçou Marcelo Déda.      LEIA A MATÉRIA COMPLETA CLICANDO AQUI!

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...