Hospital Unimed dispõe de comissão específica para o controle de infecção hospitalar

70

Em maio é celebrado nacionalmente o Dia de Controle da Infecção Hospitalar.  Mesmo sendo oficializado apenas em 2008, o dia 15 de maio já é reconhecido desde o século XIX e chama a atenção para os cuidados relacionados a este tipo de infecção. No Hospital Unimed, a Comissão de Controle de Infecção Hospital (CCIH) desempenha um papel fundamental neste quesito.

“A CCIH trabalha construindo e controlando processos e ações para o controle de infecções relacionadas a assistência à saúde. Todos nós somos responsáveis por isso. Equipe e pacientes devem estarem atentos e cobrar dos profissionais da assistência cumprimento das boas práticas, especialmente a higienização das mãos”, explica a infectologista cooperada Unimed Sergipe, Dra. Mariela Cometki, que também é coordenadora do CCIH.

De acordo com Dra. Mariela, o ambiente hospitalar exige este tipo de atenção por causa da necessidade dos pacientes. “Os pacientes internados necessitam na sua grande maioria receber medicações pela veia, comida pela sonda, retirada de urina por sonda e respiração por ventilador. Nós chamamos isso de ‘invadidos’ e esses processos facilitam a entrada de bactérias nesses pacientes e podem gerar infecções urinárias, pneumonias ou de problemas pele”, destaca Dra. Mariela.

Em meio à pandemia de Covid-19, o risco de infecção adquirida no ambiente hospitalar passou a preocupar muita gente. No entanto, os cuidados para se proteger do novo coronavírus são os mesmos já utilizados para prevenir outras infecções. “As orientações sobre as boas práticas não mudaram, mas os cuidados com uma doença tão infectante como a Covid-9 devem ser redobrados alerta a infectologista.

Infecção Hospitalar

Atualmente, o termo infecção hospitalar foi substituído por Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (Iras), abrangendo a assistência à saúde praticada em todos os níveis e não somente àquela prestada no âmbito hospitalar.

O dia 15 de maio foi escolhido para celebrar o Dia de Controle deste tipo de infecção ainda no ano de 1846, quando o obstetra alemão Ignaz Semmelweis passou a defender a prática obrigatória da lavagem das mãos de todos os profissionais de saúde que entrassem na enfermaria. A atitude do médico originou-se da sua observação de que as maternidades em que os obstetras lavavam as mãos antes do parto tinham uma menor taxa de mortalidade materna.

 

Reprodução: www.imprensa1.com

Por: Ascom Unimed <ascom@unimedse.coop.br>

Comentários

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...

%d blogueiros gostam disto: