Operação Loftus desarticula grupo do narcotráfico em Sergipe

115

Investigações do Departamento de Narcóticos (Denarc) levaram 150 policiais civis e militares a cumprir nesta sexta-feira, 16, 28 mandados de busca e apreensão e de prisão durante a operação Loftus nas cidades de Aracaju, Barra dos Coqueiros, Malhada dos Bois, Propriá e Nossa Senhora do Socorro. O objetivo é desarticular uma organização criminosa voltada ao narcotráfico, com ramificações em todo o estado.

A investigação durou cerca de três meses e contou com apoio essencial de unidades especializadas da Polícia Civil e Polícia Militar em São Cristóvão e Barra dos Coqueiros, o que possibilitou a qualificação e localização de diversos suspeitos.

Assim, a operação “Loftus” foi desencadeada para expôr toda a estrutura da organização criminosa, com elementos probatórios contra investigados socialmente bem relacionados e donos de empresas e negócios aparentemente lícitos. Apenas as investigações técnicas e profissionais poderiam desvendar a atuação criminosa com negócios de fachada e ações violentas.

A investigação apontou uma organização criminosa consolidada e foram identificadas pessoas como suspeitas de integrar o grupo. A organização funcionava com alta profissionalização, inclusive utilizando-se de roupas policiais para executar traficantes rivais no tráfico de drogas.

De acordo com o delegado Wilkson Vasco, os integrantes comandavam o tráfico de drogas em várias cidades e tinham o domínio por completo na cidade da Barra dos Coqueiros, onde exerciam sua influência com maior força. O grupo aterrorizava a população através do medo, por homicídio com uso de arma de fogo. Assim, foi representado pela Polícia Civil dezenas de mandados de prisão e busca a apreensão, cumpridos na madrugada desta sexta feira.

Parte das buscas foi realizada em uma autoescola na avenida principal da Barra dos Coqueiros. O proprietário foi preso em flagrante, com drogas. As investigações descobriram que ele e um funcionário falsificavam Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) para integrantes da organização criminosa a fim de que eles possam fugir da persecução penal, usando nomes falsos para não serem presos por seus mandados de prisão em aberto.

O nome da operação se deu por causa da teoria da psicóloga Elizabeth Loftus, uma das mais importantes do século XX. Ela tem uma série de trabalhos sobre como as pessoas processam as informações e suas memórias, podendo acreditar em algo que não é verdade. Em breve síntese, sua famosa frase expõe a tese: “Algo em que acreditamos piamente não é necessariamente verdade”.

 

Fonte: SSP/SE

Comentários

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...

%d blogueiros gostam disto: