Imprensa1
Site de notícias do jornalista radialista Marcos Couto

Perícia emite mais de 1,9 mil laudos de identificação de drogas em SE

Peritos identificaram 10 adulterantes da cocaína que potencializam riscos à saúde

Foto: SSP/SE

O Laboratório de Química Forense, do Instituto de Analises e Pesquisas Forenses (IAPF), emitiu, em 2021, 1.972 laudos periciais relacionados às análises de drogas brutas. Com as análises, foi possível identificar que as drogas mais comercializadas no estado são a maconha, cocaína, drogas sintéticas – como o ecstasy -, LSD e substâncias líquidas. Além disso, o IAPF identificou que há, pelo menos, 10 substâncias adulterantes que são misturadas à cocaína vendida em Sergipe.

De acordo com o perito criminal Nailson Correia, as amostras de drogas brutas encaminhadas ao Laboratório de Química Forense, em torno de 40% são relacionadas à cocaína. “Esse alcalóide, extraído de uma planta encontrada na América do Sul, tem o uso proibido no Brasil. Em Sergipe, nas nossas análises verificamos que muitos adulterantes são adicionados à cocaína”, destacou.

O perito criminal também alertou sobre os riscos à saúde que são potencializados pelos adulterantes da cocaína. “Algumas das substâncias adulterantes tem efeito de anestésico local, como a tetracaína, que adicionada a outro adulterante que é a cafeína, que é estimulante, acabam potencializando os efeitos cardíacos da cocaína fazendo com que a pessoa possa ter uma parada cardíaca ou um AVC”, evidenciou.

Embora a cocaína, com muitos adulterantes, seja bastante vendida em Sergipe, a maconha é a droga com maior quantidade de apreensões. “Não só no volume de solicitações de exames periciais, mas também na quantidade de droga apreendida. Ressaltamos o trabalho das instituições de segurança nas apreensões dessas drogas”, reforçou Nailson Correia.

Para a identificação do entorpecente, como no caso da cocaína, o material é analisado pelos peritos criminais do Laboratório de Química Forense. “Toda vez que uma amostra é encaminhada ao IAPF, o perito faz, inicialmente, o teste preliminar, que é um teste colorimétrico que vai verificar a presença do alcalóide da cocaína, em que há uma mudança de cor. É um teste preliminar. Após ele, é coletada uma quantidade da amostra e é levada aos equipamentos de alta tecnologia, que vai nos dar a certeza se a substância analisada é proscrita ou não”, informou.

Nailson Correia concluiu que o trabalho da perícia robustece os inquéritos policiais e detalha o tipo do entorpecente e a origem da droga. “É extremamente importante o trabalho do perito oficial criminal dentro do laboratório para robustecer o inquérito policial e ajudar nas investigações. Nós já conseguimos identificar dez formas diferentes de preparo da cocaína, onde os adulterantes variam na concentração, mas tem o mesmo padrão”, pontuou.

Com Informações: SSP/SE

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...