Polícia diz que motorista de aplicativo que morreu em Lagarto praticava roubos

O jovem que morreu em confronto com a polícia no município sergipano de Lagarto, a cerca de dois meses, “ trabalhava como motorista de aplicativo, também realizava roubos”,Foi o que apontou o inquérito da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe e foi divulgado no site da SSP-SE , nesta sexta-feira, dia 20 de agosto de 2021, como consta no LINK e abaixo:

A Delegacia Regional de Lagarto concluiu as investigações relativas à morte de Josué Anselmo Alves Oliveira, de 21 anos. Ele dirigia um veículo de modelo HB20, acompanhado de outros homens, e faleceu após confronto com policiais do 7º Batalhão da Polícia Militar (7º BPM). Após toda a coleta de provas, principalmente com a análise do aparelho celular, autorizada pela Justiça e acompanhada pelo Ministério Público, verificou-se que Josué naquele dia estava participando dos assaltos e conhecia parte dos ocupantes do veículo.

Fotos e vídeos capturados dos aparelhos celulares comprovam que Josué portava um revólver e estava com os homens identificados por populares como autores de diversos crimes na região. Segundo as investigações, todos os ocupantes do veículo estavam realizando assaltos a diversos transeuntes de Lagarto, os quais acionaram a Polícia Militar. Em determinado momento, os policiais visualizaram o veículo e ordenaram sua parada. Mas, os ocupantes atiraram contra a equipe policial e houve o revide, atingindo alguns deles. Foi prestado socorro a todos, contudo Josué evoluiu a óbito. Todos os outros foram presos.

Com o desfecho da ocorrência, foi instaurado um inquérito policial específico no âmbito da Delegacia Regional de Lagarto para apurar as circunstâncias da morte e requisitadas perícias, ouvidas diversas pessoas e realizada a análise do aparelho celular de Josué, em diligência autorizada pela Justiça.

A investigação também constatou que Josué ostentava uma arma de fogo muito semelhante à apreendida pela Polícia Militar após a abordagem ao grupo, arma utilizada para atirar contra os policiais. Além disso, foram coletadas diversas evidências que sugerem envolvimento prévio de Josué em atividade criminosa, além de terem sido encontradas diversas fotos fazendo uso de entorpecentes, inclusive acompanhado de outro ocupante do veículo.

Mediante todas as provas colhidas, a Polícia Civil concluiu a investigação verificando a hipótese de legítima defesa, tendo encaminhado todo o procedimento para análise do Ministério Público Estadual e do Poder Judiciário que, mediante suas análises independentes, avaliaram os fatos e evidências, concluindo pelo arquivamento do caso, diante da manifesta excludente de ilicitude na conduta dos policiais militares. A Polícia Civil reafirma seu compromisso com a sociedade e com o fiel cumprimento de sua missão constitucional, que é a condução de investigações com seriedade e isenção.

Reprodução: www.imprensa1.com

Fonte: https://www.ssp.se.gov.br/Noticias/Detalhes?idNoticia=19134

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...