Imprensa1
Site de notícias do jornalista radialista Marcos Couto

Professores vão às ruas de Aracaju e de Brasília por mais investimento na educação

DSC08282AN.jpg1Quarta-feira, dia 26, é um dia especial na luta de professoras e professores de todo o Brasil pela implantação de um sistema de educação pública de qualidade social.

Em Brasília, mais de 10 mil educadores brasileiros entregam à Comissão de Educação da Câmara de Deputados um abaixo assinado com 140 mil cartões postais em apoio à emenda que firma no Plano Nacional da Educação que o Brasil irá investir 10% do seu Produto Interno Bruto na Educação.

Neste dia, a deputada estadual e professora Ana Lúcia (PT) usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe para divulgar a luta e explicar que os educadores que se encontram em Brasília também estão cobrando a implantação efetiva do Piso Salarial Profissional, conquistado após 23 anos de batalha da categoria.

“O Ministério da Educação precisa distribuir recurso para garantir o Piso Salarial Nacional. É preciso encontrar formas concretas para assegurar o cumprimento da lei conquistada”, avaliou.

No Calçadão da João Pessoa, em frente à Caixa Econômica Federal, professores de todas as regiões do Estado de Sergipe realizaram um ato público para explicar à população a necessidade de mais investimento para a educação pública.

A presidente do Sintese, professora Ângela Melo, informou que a marcha em Brasília também leva como pauta a luta que vários professores brasileiros vem travando em diferentes estados pela defesa da Carreira do Magistério e a implantação do Piso Salarial.

O professor Neilton Diniz frisou as dificuldades que os professores sergipanos estão passando nos municípios de Carira, Salgado, Japaratuba e General Maynard. “Nós exigimos respeito e o cumprimento da lei a estes prefeitos que se negam a pagar o Piso”, criticou.

O professor Iran Barbosa (PT) afirmou que o Brasil precisa ter coragem para dar este passo fundamental de investir o recurso necessário para melhorar a educação.

É algo que vários outros países já fizeram e como retorno tiveram desenvolvimento social e crescimento econômico.

“Destinar 10% do PIB para a educação é mais que viável, é uma necessidade.

É o momento de definir se a educação é ou não é prioridade no Brasil”, declarou.

Fonte: Iracena Corso / Assessoria

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...