Sindicatos vão avaliar atos de protestos do dia 03

SINDFISCO-PROTESTO-SINDICATOS -PAULO PEDROZA-Movimento dos Trabalhadores dos Servidores Públicos farão reunião para avaliar o ‘Ato de Protesto e de Advertência’ realizado na última quinta-feira, dia 3, na porta do Palácio de Despacho, na Avenida Adélia Franco. No ato estavam presentes servidores de 23 categorias do funcionalismo público estadual  de Sergipe e lideranças de três centrais sindicais (CTB, CUT e Nova Central).

Agora, o novo  encontro será  na quarta-feira, dia 09, as 08h da manhã , no auditório na sede do Sindicato dos Médicos de Sergipe, localizada na Rua Celso Oliva,481, Bairro 13 de Julho.  Onde acontece uma avaliação do último ato público e deliberação de outras ações.

Os servidores protestaram contra a ausência de respostas do Governo do Estado de Sergipe à pauta de negociação unificada. A pauta foi entregue ao vice-governador Belivaldo Chagas, na reabertura da mesa de negociações.

Greve unificada

SINDFISCO-PROTESTO-SINDICATOS -PAULO PEDROZADe acordo com o presidente do Sindicato do Fisco (Sindifisco), Paulo Pedroza, os representantes do movimento dos sindicatos e centrais poderão indicar greve-geral de 72h, ainda este mês, no serviço público, caso o governo não dê respostas objetivas às reivindicações.

Reajuste inflacionário

Da pauta unificada, os servidores apresentaram cinco itens. “Um desses itens é reposição inflacionária. Ou seja, os servidores não estão pedindo reajuste salarial. Ao contrário, estamos reivindicamos o direito constitucional de reposição de perdas inflacionárias. A partir de 2012, o governo concedeu apenas a reposição dos salários de apenas 12 meses e deu um calote em 24 meses. Não vamos aceitar essa política adotada, de arrocho salarial, acrescida agora com a prática insensível de atrasar e parcelar salários”, afirma Pedroza.

Os outros itens da pauta são: cumprimento dos acordos dos Planos de Cargos e Salários (PCCVs) e subsídios; piso dos professores; transparência nas contas públicas e contra o parcelamento dos salários dos servidores.

Os sindicalistas também cobraram do governo estadual o funcionamento do Grupo de Trabalho para “destrinchar” as finanças públicas, o acordo foi firmado no dia 4 do mês passado.

O Movimento dos Trabalhadores do Serviço Público reúne as centrais sindicais CTB, CUT e Nova Central Sindical, além dos sindicatos Sindifisco, Sintasa, Sindipen, Sindconam, Sinpol, Sintrase, Seese, Sinpsi, Sindimed, Adepol, STERTs, Senge, Sinter/SE, Sindijor, Sindijus, Sintese, Sindetran, Sindasse, Sindisan, Sinditic, Sindinutrise e Sintradispense.

Reprodução: www.imprensa1.com.br

Por Déa Jacobina, Ascom Sindifisco

Comentários

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...

%d blogueiros gostam disto: