Suspeitos abordados pelo delegado baleado estavam com sete notas falsas

O Instituto de Criminalística (IC) identificou que o grupo responsável pelos disparos de arma de fogo contra o delegado Marcelo Hercos estava em posse de sete notas falsas de R$ 200. A partir dos exames periciais, o IC concluiu que as cédulas não apresentam 11 elementos de segurança. Porém, o Instituto de Criminalística (IC) indicou que a falsificação não era grosseira, tendo em vista que produziam diversos aspectos macroscópicos de cédulas autênticas.

As sete cédulas tinham quatro numerações. De acordo com o exame pericial, três delas possuíam a numeração IE012669041. Outras duas apresentavam a numeração HF056774764. Além dessas, outras duas notas tinham as respectivas numerações  IL051824390 e IL032418712. As medidas eram variáveis. O grupo também estava em posse de uma nota de R$ 5 e outras duas de R$ 2.  As três notas de menor valor são verdadeiras.

De acordo com o Instituto de Criminalística, foram feitos exames diretos nas cédulas, por meio de análises óptica e tátil, por meio de lupas monocromáticas, mouse espectral luminescente e comparador espectral de vídeo.

Segundo o laudo pericial, as notas falsas não tinham os seguintes elementos: Marca d’água; Impressões tipográficas; Fundo de segurança em ofsete; Imagem latente; Registro coincidente; Microtextos; Marca tátil; Elementos sensíveis à luz ultravioleta; Impressões calcográficas; Fio de segurança; e Impressão com tinta de variação óptica.

LEIA MAIS SOBRE O CASO EM QUE O DLEGADO MARCELO HERCOS FOI BALEADO . CLICK AQUI !

 

Reprodução: www.imprensa1.com

Por: Ascom da SSP/SE

Deixe uma resposta

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...