Taxa de transmissão da Covid-19 em Sergipe se mantém abaixo de 1

A taxa de transmissão da Covid-19 caiu para menos de 1 em Sergipe. Esse indicador serve como uma estimativa de como a doença se espalha entre a população. Abaixo de 1 significa dizer que uma pessoa infectada pela doença transmite para menos de uma pessoa, como explicou o diretor de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES), infectologista Marco Aurélio Góes, salientando que o estado registra no momento queda no número de casos, de óbitos e de internações.

A taxa de transmissão abaixo de um implica dizer que o vírus tem uma dificuldade maior de ser transmitido e por uma série de razões, entre elas o fato de que muitas pessoas foram infectadas, criaram anticorpos, dificultando a circulação do vírus no ambiente, segundo avalia o diretor de Vigilância em Saúde. “Isto é bom porque caíram as taxas de adoecimento, internações e óbitos, mas em compensação é uma doença nova, que não se conhece direito, não se sabe como se comporta essa imunidade, se vai garantir que no próximo ano ou daqui a alguns meses não tenhamos novas infecções”, alertou.

Marco Aurélio salientou que, em se tratando de Covid-19, Sergipe tem apresentado uma queda gradual e contínua, inicialmente com uma velocidade mais rápida e agora mais lenta devido à diminuição dos números, mas orienta a sociedade, aos gestores e profissionais de saúde de que é importante que todos estejam atentos para qualquer transformação neste cenário. “Os serviços de saúde precisam notificar os casos e os profissionais que atuam nas urgências devem observar se está aparecendo casos mais graves neste momento ou se continuam diminuindo, porque são estas informações que fazem com que a gente consiga observar como está a curva de transmissão”, disse.

O infectologista enfatizou que mesmo com um cenário favorável ao surgimento de uma vacina eficaz e segura, o imunobiológico ainda não está disponível e, além disso, como atestam as autoridades sanitárias mundiais, a vacina não estará disponível para todos ao mesmo tempo. Isso quer dizer que mesmo quando a imunização começar a ser aplicada, as pessoas vão precisar continuar mantendo os hábitos preventivos como o distanciamento social o máximo possível, evitar aglomerações desnecessárias, higienização frequentemente das mãos e superfícies de maior contato e uso de máscara.

“Não temos um prazo para quando vamos deixar de usar máscaras nos ambientes, até porque são essas medidas sanitárias que têm contribuído para a queda na transmissão. Mesmo que a gente identifique grupos de pessoas que se aglomeram e não utilizam máscaras, sabemos que parte da população tem cumprido os protocolos e isso tem protegido a sociedade. Diminuir a transmissão não significa deixar de cumprir essas medidas porque, na realidade, são elas que estão contribuindo para que a taxa de transmissão caia”, concluiu Marco Aurélio.

Foto e Fonte: Ascom/SES

Comentários

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais na nossa Ferramenta Consentimento Cookie. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies. Aceitar Ler os termos...

%d blogueiros gostam disto: